• ads

Depoimento de Yoshiyuki Suga — Jump Gold Selection 1

By admin
In Estafe & Elenco — Entrevistas e Depoimentos
set 12th, 2013
0 Comments
1180 Views

“A ideia do mangá chamada cosmo me permitiu preencher até as partes originais do roteiro.”

    Eu entrei no roteiro mais como um substituto interino na ocasião em que o senhor Koyama ficou doente, mas, posteriormente, passando a me envolver continuamente, também me foi permitido escrever A Lenda dos Jovens Carmesins [A Batalha de Abel], que estreia neste verão.

   Eu tive o privilégio de ler o mangá depois que ficou decidido que eu escreveria (Risos.), mas fui impactado pela ideia que o senhor Kurumada chamou de cosmo, sabe? Então, vi que as armaduras, os cavaleiros, as constelações… essas coisas estão sendo muito bem empregadas dentro da mitologia da Grécia.

   O cosmo é a tremenda potencialidade que o ser humano oculta, ao passo que as armaduras são completamente diferentes dos robôs, uma coisa viva, não? Por isso, sua função de autorregeneração é tão fascinante. Embora haja partes originalmente escritas por mim, senti que o que me permitiu inflá-las foi o mangá, que oculta gigantescas possibilidades.

   Eu também conheci o senhor Kurumada. Além de ser um sujeito másculo, ele é bastante modesto, sabe? Tenho a sensação de que, mesmo em relação à produção de textos, ele vai amealhando mais e mais coisas interessantes no intuito de encontrar entre elas o universo dos homens. Isso me fez sentir uma grande empatia.

   Dos cinco cavaleiros de bronze, o Ikki é aquele para o qual tenho mais facilidade de escrever. Posso elencá-lo como o número 1. Ikki resolve tudo em uma ou duas cenas. É o Entediado Vassalo do Xogum. (Risos.)

   Eu sou fascinado por esse tipo machão, fora da lei. Bem, apesar da infinidade de coisas que escrevi protagonizadas por eles [cavaleiros de bronze], o que mais me marcou foi o episódio 33, O Conflito do Tigre e do Dragão! As Lágrimas do Dragão Cego. Mesmo fazendo uso do Shiryu, ainda que o personagem chamado Ōko seja exclusivo do anime, o aparecimento desse companheiro de treino do Shiryu é uma saga original que retrata o universo kurumadiano.

   É uma história que escrevi com base nos apotegmas que dizem que, com o cosmo, pode-se destruir até o destino inexorável e que o ser humano possui várias potencialidades. Portanto, aqui também está o cosmo, mas, por exemplo, o ataque fruto do cosmo… é algo diferente de se atirar sobre o inimigo para travar uma peleja de socos; existe a pressão dos golpes… há golpes parecidos com visões e, em meio às batalhas, há a chamada estética, a concepção artística das lutas.

   E, sim, claro que existe também a diversão de se conseguir realmente processar isso em termos de anime. Mesmo que a luta aconteça na escuridão, o universo vem à tona, transcendendo o espaço-tempo. Eu acho que a magia de Saint Seiya como animação está nas partes que nos permitem sentir tal expansão.

   Se não houvesse a ideia chamada cosmo em Seiya, se fosse apenas sobre artes marciais, eu e também o senhor Koyama poderíamos não ter continuado na série, entende?

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *